O presidente do CDS-PP Madeira, Lopes da Fonseca, acha que há "uma quebra de compromissos assumidos com os madeirenses", razão pela qual vai apresentar um voto de protesto na Assembleia Legislativa regional contra o Orçamento do Estado para 2017.

Em comunicado, Lopes da Fonseca sublinha estar em causa "o novo hospital e os apoios ao realojamento das vítimas afetadas pelos incêndios".

No primeiro caso, o CDS/PP Madeira lembra a garantia dada pelo primeiro-ministro, António Costa, de que o novo hospital avançaria com o apoio do Governo central", observa.

Lembra ainda que o líder do PS Madeira e deputado à Assembleia da República, Carlos Pereira, garantiu que haveria verba, no OE2017, para o novo hospital, "algo que efetivamente não acontece".

Paradoxalmente, o documento integra verbas para projetos nas unidades hospitalares do Seixal, de Évora e de Lisboa Oriental, o que para o CDS/PP mostra insensibilidade face àquela que é uma necessidade absoluta da Região", acrescenta.

Outra das razões invocadas pelo CDS madeirense tem a ver com uma alegada "quebra de compromisso no apoio ao realojamento das vítimas dos incêndios".

Foi definido que a República daria um apoio financeiro de 17,4 milhões de euros para projetos de apoio ao realojamento de famílias atingidas pelos fogos. Surpreendentemente, o OE2017 inclui, apenas, 3,5 milhões de euros para esse efeito", refere o comunicado.