O CDS-PP acusou esta sexta-feira o Governo de fazer "austeridade nas costas dos portugueses", pedindo os centristas uma alteração à lei de enquadramento orçamental para se saber no detalhe "onde não está a ser gasto o dinheiro" do Orçamento.

O Governo faz austeridade nas costas dos portugueses, o que entendemos ser perverso", advogou o deputado centrista João Almeida, em declarações à agência Lusa, no dia seguinte a saber-se que 2016 foi o ano em que houve maiores montantes cativados (1.746,2 milhões) dos últimos oito anos.

Temos uma iniciativa para que isso não se possa repetir", prosseguiu o parlamentar do CDS-PP, referindo-se a uma proposta de lei.

Os centristas querem debater a sua proposta antes das discussões do Orçamento do Estado para 2018. Aí se pede que nos boletins de execução orçamental mensais sejam incorporados os valores "ministério a ministério, organismo a organismo" que estão a ser cativados.

O Orçamento [de 2016] que foi aprovado na Assembleia da República pelo PS, PCP e BE não foi o orçamento executado. Os portugueses não tiveram acesso ao que estava previsto que tivessem, nomeadamente em áreas como a Saúde", criticou ainda João Almeida.

O ano de 2009 foi aquele em que houve montantes cativados menores (624 milhões de euros) e 2016 foi o ano em que houve maiores montantes cativados (1.746,2 milhões), nos últimos oito anos, segundo a UTAO, Unidade Técnica de Apoio Orçamental.