O deputado do CDS-PP Hélder Amaral defendeu hoje que «felizmente a realidade matou a expressão "espiral recessiva"», clamando: "já chega de pessimismos".

«Felizmente, a realidade matou a expressão "espiral recessiva"», afirmou o parlamentar centrista, depois de citar o governador do Banco de Portugal, Carlos Costa, numa declaração política no Parlamento.

O deputado socialista Rui Paulo Figueiredo criticou «a partitura tocada pelos grupos parlamentares da maioria de que "está tudo bem e o PS é que está zangado com o Mundo e com o país"».

«Tivemos e temos sinais ténues de crescimento, uma diminuição ligeira do desemprego. Alguns sinais são positivos e nós reconhecemos isso, mas os portugueses, quando vão ao supermercado, não é com confiança que compram as coisas», contrariou o parlamentar do PS.

O comunista Miguel Tiago sublinhou que «a recessão continua na casa do 1,5 por cento do Produto Interno Bruto» e que «o país recuou mais de 12 anos nas condições de vida das populações», condenando o facto de «a fatia do bolo para os trabalhadores continuar a diminuir, enquanto uma fatia pequena de portugueses ou de grupo económicos que se apropriam do bolo».

«As pessoas precisam de conhecer a realidade, precisam de saber que o seu esforço valeu a pena e este Parlamento deve ter a missão de lhes dizer a verdade. Os portugueses precisam de saber com quem podem contar, com quem podem contar para a luta - não a luta fácil do protesto e da destruição, mas para a difícil tarefa de encontrar produzir riqueza, de trabalho diário, vencendo as dificuldades... estaremos ao lado destes portugueses», afirmou Hélder Amaral.