logotipo tvi24

Orçamento: Governo e CDS longe de acordo

Após seis horas de reunião, ainda não há consenso

Por: tvi24 / CP    |   2010-01-16 16:18

CDS-PP e Governo ainda estão longe de um acordo quanto ao Orçamento de Estado e retomam as negociações na próxima terça-feira, disse o vice-presidente centrista Luís Queiró, após quase seis horas de reunião no Ministério das Finanças.

Negociações entre Governo e CDS-PP com «espírito positivo»

Em declarações aos jornalistas no final do encontro, o responsável do CDS-PP sublinhou a dificuldade do quadro económico actual, «de disciplina e rigor orçamental» impostos pela crise, e que, por isso, «exige imaginação e capacidade» para se encontrar «mecanismos compensatórios que permitam tomar certas medidas» e «implica escolhas e saber quais são as prioridades políticas».

«Somos um partido da oposição e nem sempre as prioridades políticas são as mesmas. É essa justaposição que estamos à procura nas áreas em discussão. Se lá chegamos, não sei. Hoje ainda estamos longe», disse Luís Queiró.

Também no final do encontro, o ministro das Finanças, Teixeira dos Santos, fez um balanço «claramente positivo» da discussão, mas escusou-se a comentar se um entendimento com o CDS está ou não mais perto.

«É cedo para o dizermos. Temos de levar as conversas até ao fim e fazer depois um balanço global e averiguar se sim ou não, se justifica esse entendimento», considerou.

Partilhar
EM BAIXO: Teixeira dos Santos
Teixeira dos Santos

Rangel quer combater o «inverno demográfico» da Europa
Cabeça de lista da coligação «Aliança Portugal» às europeias defendeu a implementação de um programa para a natalidade
«Opção do governo é tornar definitivos os cortes temporários»
Comentário de Augusto Santos Silva no programa «Política Mesmo»
«Há limites para o que um Presidente pode dizer»
Constança Cunha e Sá critica entendimento de Cavaco Silva, para quem a atividade política é um «fait-divers»
EM MANCHETE
Passos quer «fazer a função pública respirar»
Passos Coelho anunciou que o Governo anunciará a sua decisão sobre a saída do atual programa após a 12.ª avaliação, em curso, e antes de 5 de maio
Portugal coloca dívida a 10 anos a um juro mínimo
Exames de português e matemática para professores