logotipo tvi24

Orçamento: Governo e CDS longe de acordo

Após seis horas de reunião, ainda não há consenso

Por: tvi24 / CP    |   2010-01-16 16:18

CDS-PP e Governo ainda estão longe de um acordo quanto ao Orçamento de Estado e retomam as negociações na próxima terça-feira, disse o vice-presidente centrista Luís Queiró, após quase seis horas de reunião no Ministério das Finanças.

Negociações entre Governo e CDS-PP com «espírito positivo»

Em declarações aos jornalistas no final do encontro, o responsável do CDS-PP sublinhou a dificuldade do quadro económico actual, «de disciplina e rigor orçamental» impostos pela crise, e que, por isso, «exige imaginação e capacidade» para se encontrar «mecanismos compensatórios que permitam tomar certas medidas» e «implica escolhas e saber quais são as prioridades políticas».

«Somos um partido da oposição e nem sempre as prioridades políticas são as mesmas. É essa justaposição que estamos à procura nas áreas em discussão. Se lá chegamos, não sei. Hoje ainda estamos longe», disse Luís Queiró.

Também no final do encontro, o ministro das Finanças, Teixeira dos Santos, fez um balanço «claramente positivo» da discussão, mas escusou-se a comentar se um entendimento com o CDS está ou não mais perto.

«É cedo para o dizermos. Temos de levar as conversas até ao fim e fazer depois um balanço global e averiguar se sim ou não, se justifica esse entendimento», considerou.

Partilhar
EM BAIXO: Teixeira dos Santos
Teixeira dos Santos

Francisco Louçã revela «Os Burgueses»
Co-autor de livro sobre quem detém o poder em Portugal explica na TVI24 a obra que se dedica a dissecar as mil pessoas donas de mais de metade do PIB
Reação contra manifesto dos 70 mostra que «atingiu o alvo»
João Cravinho afirmou que a reação feroz troika mostra que o manifesto «atingiu o alvo»
Europeias são momento para «fazer renascer a esperança» em Portugal
«Este presente não pode ser o nosso futuro», afirmou Jorge Sampaio
EM MANCHETE
Queda de muro em Braga mata três universitários
Estudantes eram todos caloiros. «Guerra de cursos» terá estado na origem do acidente
Execução orçamental: défice cai, mas despesa aumenta
Passos quer «fazer a função pública respirar»