O Presidente da República considerou, esta quarta-feira, que «num tempo de tantas incertezas» é importante reconhecer a capacidade de vencer dos portugueses, realçando os múltiplos exemplos mobilizadores, internacionalmente reconhecidos, que existem no país, nomeadamente no sistema de saúde.

«Num tempo de tantas incertezas, importa reconhecer e sublinhar a nossa capacidade de vencer, realçando os múltiplos exemplos mobilizadores, internacionalmente reconhecidos, que existem em Portugal, nas universidades, no sistema de saúde, nos centros de investigação ou nas empresas», afirmou o chefe de Estado, Aníbal Cavaco Silva, numa intervenção na cerimónia de entrega do Prémio Champalimaud de Visão 2014, que decorreu na Fundação Champalimaud, em Lisboa.

Cavaco Silva lembrou, a propósito, que Portugal tem alcançado indicadores de saúde que lhe conferem uma posição de relevo no contexto internacional.

«Esse tem sido, em larga medida, o resultado de um trabalho notável, desenvolvido, ao longo de 35 anos, pelo nosso Serviço Nacional de Saúde», frisou.

No seu discurso, o Presidente da República fez ainda referência aos sete cientistas estrangeiros que receberam hoje o Prémio Champalimaud de Visão 2014, pelo desenvolvimento de uma terapia contra doenças da retina, controlando o crescimento desmesurado de vasos sanguíneos no olho, que leva à cegueira.

O Prémio António Champalimaud de Visão, no valor de um milhão de euros, foi atribuído este ano aos investigadores Napoleone Ferrara, Joan Miller, Evangelos Gragoudas, Patricia D'Amore, Anthony Adamis, George King e Lloyd Paul Aiello.

«Os resultados do vosso trabalho, agora aplicados ao tratamento dos doentes, abrem esperança, em todo o mundo, a milhões de pessoas afetadas por doenças da retina», disse o chefe de Estado.