O Presidente de Timor-Leste pediu hoje o apoio de Portugal no desenvolvimento económico do país e no combate à pobreza, afirmando que as conquistas dos timorenses, nomeadamente a paz e a democracia, são também dos portugueses.

Em declarações aos jornalistas no Palácio de Belém, em Lisboa, após uma reunião com o Presidente da República portuguesa, Aníbal Cavaco Silva, Taur Matan Ruak recordou que, em pouco mais de 11 anos, «Timor-Leste conseguiu construir um Estado, conseguiu a paz e a reconciliação, conseguiu a democracia e reforçou a tolerância».

"Esta conquista não é só dos timorenses, é também dos portugueses", disse o chefe de Estado timorense.

No entanto, afirmou que Timor-Leste tem pela frente outra grande batalha: a do desenvolvimento económico e do combate à pobreza.

«Nesta, nós queremos continuar a contar com o apoio dos portugueses e de Portugal», afirmou.

O líder timorense recordou ainda que a partir de julho próximo Timor-Leste assume a presidência rotativa da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), destacando "duas grandes questões" em cima da mesa: o eventual alargamento da organização à Guiné Equatorial e a crise política na Guiné-Bissau.

Sobre este último tema, sublinhou que Timor-Leste "trabalha com o representante do secretário-geral das Nações Unidas para que as eleições na Guiné-Bissau se realizem rapidamente" e disse concordar com as declarações do Presidente da República Portuguesa, que também se referira ao assunto na mesma conferência de imprensa conjunta.

Minutos antes, o chefe de Estado português defendera a necessidade de um retorno da Guiné-Bissau à ordem constitucional, o que passaria por «pressionar as autoridades de facto, mas que não têm neste momento legitimidade popular, a realizarem as eleições ainda este ano e voltar a uma situação em que o poder militar está subordinado ao poder civil legitimado em eleições».

Taur Matan Ruak encontra-se em visita de Estado a Portugal a convite do Presidente português.

A visita do chefe de Estado timorense, que viaja acompanhado da mulher, Isabel da Costa Ferreira, começou hoje com a colocação de uma coroa de flores no túmulo de Luís Vaz de Camões no mosteiro dos Jerónimos e prosseguiu no Palácio de Belém onde, após honras militares e a assinatura do livro de honra se reuniu com o homólogo português.

Do Palácio de Belém, o Presidente de Timor-Leste seguiu para a residência oficial do primeiro-ministro, que o receberá e lhe oferecerá depois um almoço.

Taur Matan Ruak será ainda recebido pela presidente da Assembleia da República, Assunção Esteves, e pelo Presidente da Câmara Municipal de Lisboa, António Costa.

No final do dia, Cavaco Silva irá ainda oferecer um jantar de Estado em honra de Taur Matan Ruak, no Palácio da Cidadela de Cascais, num relato da Lusa.

O Presidente da República disse que Portugal está aberto à continuação da cooperação com Timor-Leste no domínio militar e da segurança e manifestou a disponibilidade dos portugueses em reforçar as «escolas de referência».