O Presidente da República lembrou hoje as «afirmações perentórias» de agentes políticos, comentadores e analistas de que Portugal não conseguiria evitar um segundo resgate, questionando o que dirão agora que foi anunciada uma «saída limpa».

«O que mais me vem à memória, no dia de hoje, são as afirmações perentórias de agentes políticos, comentadores e analistas, nacionais e estrangeiros ainda há menos de seis meses, de que Portugal não conseguiria evitar um segundo resgate. O que dizem agora?», questiona o chefe de Estado, Aníbal Cavaco Silva, num "post" publicado na sua página na rede social Facebook.

Cavaco Silva acrescenta que «é apenas isto» que responde a todos que pedem uma reação sua ao anúncio feito no domingo pelo primeiro-ministro de que Portugal não recorrerá a qualquer programa cautelar e recomenda «a leitura integral - e não truncada - do prefácio» que escreveu em março para o Roteiros VIII, disponível no "site" da Presidência da República.