A Presidência da República esclareceu que Cavaco Silva não fez exigências relativamente a nomes que devessem integrar o executivo, disse à Lusa fonte oficial de Belém.

«A Presidência da República desmente que o Presidente tenha feito exigências relativamente a nomes que devessem integrar o executivo», referiu a mesma fonte oficial.

Hoje, vários jornais apontam versões contraditórias sobre se o Presidente da República, Cavaco Silva, teria exigido a presença no Governo do líder do CDS-PP, Paulo Portas, numa solução para ultrapassar a crise aberta pela sua demissão do cargo de ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros.

Na quinta-feira, o primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, reuniu-se com o Presidente da República - depois de vários encontros com o presidente do CDS-PP entre quarta e quinta-feira - e, no final, garantiu que «será encontrada uma forma de poder garantir o apoio político do CDS ao Governo e nessa medida garantir a estabilidade política do país».

O presidente do CDS-PP justificou a sua demissão do Governo na terça-feira com a substituição, na pasta das Finanças, de Vítor Gaspar por Maria Luís Albuquerque. Recorde-se que Paulo Portas declarou, em comunicado, que a sua demissão era uma decisão «irrevogável», o que foi reiterado pela comissão executiva do partido.