O Presidente da República considera que 2015 será um ano que o mundo será confrontado com importantes opções a vários níveis, e faz votos para que algumas dessas opções «se revelem evidentes aos olhos dos líderes políticos», nomeadamente a rejeição dos fundamentalismos e da sua cobertura a atos de terrorismo.

Na Europa deve-se manter o empenho numa União Europeia «ambiciosa, mas também coesa e solidaria».

Cavaco Silva deixou uma nota sobre os recentes ataques terroristas em Paris, considerando que permitiram lembrar que «o combate aos fanatismos bárbaros» diz respeito a todas as democracias e que «é urgente o aperfeiçoamento e o aprofundamento dos mecanismos europeus de coordenação na área da segurança».

«O povo francês, símbolo maior do valor da liberdade e que acolhe tantos milhares de cidadãos portugueses, conta com toda a nossa solidariedade», sustentou.