O candidato presidencial Henrique Neto entende que é “muito negativa” a falta de rapidez que o Presidente da República tem tido na formação de um novo governo.

“Toda a instabilidade ou toda a dúvida que se instale, quer junto dos portugueses, quer junto dos mercados, quer junto da União Europeia, é prejudicial ao país”, argumentou, citado pela Lusa, à entrada de uma reunião com o reitor da Universidade do Algarve, em Faro. 

 “Um país moderno não pode adiar decisões, não pode ter tanto tempo para a formação de um governo”.


Henrique Neto também criticou a forma como Aníbal Cavaco Silva está a gerir a situação: “se ele queria ouvir as pessoas teria convocado o Conselho de Estado. Instalou-se um romance policial sobre o novo governo e isto não é bom para a democracia portuguesa”, disse.

O candidato voltou a defender que o Presidente "não tem alternativa que não seja cumprir a Constituição, ou seja, dar pose a um governo do PS”.

Henrique Neto, 79 anos, ex-deputado do PS e antigo empresário, foi o primeiro a anunciar a candidatura à Presidência da República, a 25 de março deste ano.

Crítico dos governos socialistas de José Sócrates, em janeiro, Henrique Neto subscreveu o manifesto "Por uma democracia de qualidade", entregue ao Presidente da República e que pedia uma reforma do sistema eleitoral.