O Presidente da República sublinhou, esta quarta-feira, a "relação de confiança" que existe entre a Siemens e a economia portuguesa, considerando que a empresa tem ajudado a projetar o país como uma localização competitiva para o investimento.

"Consideramos que a Siemens, como grande empresa global que é tem ajudado a projetar Portugal como uma localização competitiva para o investimento. A Siemens está em Portugal há 110 anos e, ao ser observada por outros investidores internacionais, pode contribuir para que sejam tomadas decisões para que outros invistam em Portugal", afirmou o chefe de Estado, Aníbal Cavaco Silva.

Cavaco Silva, que falava antes de condecorar o presidente da Siemens, Joe Kaeser, com a Grã-Cruz da Ordem do Mérito Empresarial, Classe do Mérito Industrial, por ocasião do 110.º aniversário da presença da empresa em Portugal, lembrou que a empresa é um dos mais antigos grupos empresariais a operar no país, tendo ao longo do tempo contribuído para o desenvolvimento económico e social.

Atualmente, referiu, emprega direta e indiretamente cerca de 2.500 colaboradores "altamente qualificados" e estabeleceu parcerias com universidades e instituições científicas, contribuindo dessa forma para a investigação, o desenvolvimento e a inovação em Portugal, ao mesmo tempo que criou centros de competência que projetam o país por todo o mundo fora.

"Há, portanto, uma relação de confiança - podemos dizer assim - entre a Siemens e a economia portuguesa", frisou.

Referindo-se à sua visita em 2009 à sede da empresa, em Munique, o Presidente da República recordou a forma como ficou impressionado com os projetos inovadores que então lhe foram apresentados, alguns dos quais trabalhados em Portugal e que depois "levam o talento português aos cinco continentes.

"A Siemens é uma das maiores empresas a nível mundial, penso que tem a nível mundial mais de 300 mil colaboradores, é conhecida pela excelência da sua engenharia, da inovação, das soluções tecnológicas, pela procura incessante de resposta para os problemas do mundo moderno", acrescentou.

Já depois de ter recebido as insígnias, o presidente da Siemens manifestou a sua "grande honra" em receber a distinção, dedicando-a a todos os trabalhadores da Siemens em Portugal, notando que têm sido eles "a fazer a diferença".

"Estamos aqui há 110 anos e ficaremos cá por mais 110 anos", prometeu.