O Presidente da República entende que o Estado e a sociedade devem ser capazes de criar oportunidades para os jovens e que a sua inclusão social deve estar no centro da atividade política. As novas gerações devem ser ouvidas na elaboração das medidas que lhes tocam diretamente, defende Cavaco Silva. 

"As ambições e expetativas legítimas dos jovens portugueses e ibero-americanos em relação ao seu futuro exigem que o Estado e a sociedade sejam capazes de gerar oportunidades para que as novas gerações assumam plenamente o seu papel de cidadãos ativos"

Cavaco Silva, que falava na cerimónia de apresentação do Programa Ibero-Americano de Juventude, reiterou ainda a necessidade de envolver as novas gerações na elaboração das medidas que lhes dizem respeito, sublinhando que "não basta escutá-las".

"É necessário ter a coragem de as saber envolver e deixar participar na construção política e cívica do futuro dos nossos jovens", argumentou, vincando que acredita "vivamente" nos jovens.

Desta forma, é necessário colocar a promoção da inclusão social dos jovens no centro da atividade política, "desenvolvendo e implementando um conjunto de respostas concretas que reforcem a articulação entre os diferentes organismos do Estado e da sociedade civil", acrescentou.

Lembrando que existem atualmente perto de 1500 milhões de jovens - cerca de 25% da população mundial - o Presidente da República reiterou que as respostas aos seus "anseios e expetativas deve ser uma prioridade da agenda política mundial".

"Importa assegurar uma nova atitude em relação à justiça intergeracional. Os desafios que hoje se perfilam não serão vencidos sem uma parceria que envolva os jovens, as organizações internacionais e os governos nacionais, regionais e locais".


Só no espaço ibero-americano existem cerca de 150 milhões de jovens, "a maior geração de jovens ibero-americanos de sempre".

Na cerimónia, o Presidente da República foi homenageado pela secretária-geral Ibero-Americana, Rebeca Grynspan, pelo trabalho que desenvolveu no âmbito das cimeiras Ibero-Americanas, e nomeado Embaixador Ibero-Americano da Juventude.

O Presidente da República, que participou pela última vez em dezembro de 2014, no México, na cidade de Veracruz, nas cimeiras Ibero-Americanas, já que termina no próximo ano o seu mandato de chefe de Estado, era primeiro-ministro quando a Conferência Ibero-Americana foi fundada, em 1991.

Portugal, que foi um dos países fundadores da Conferência Ibero-Americana, passou também a integrar a Organização Ibero-Americana de Juventude (OIJ) em 1992, quando esta foi criada.

Esta tarde Braga foi também apresentada como Capital Ibero-Americana de Juventude 2016.

O Programa "Iberjovens" tem por objetivo promover a participação, formação e desenvolvimento de iniciativas destinadas a fortalecer a cidadania juvenil no Espaço Ibero-Americano, nomeadamente através do empreendedorismo juvenil.