«Entende-se não ser a Assembleia da República o órgão competente para apreciar a petição, visto não estar nas suas competências a demissão do primeiro-ministro», lê-se na resposta do parlamento, que não viu «qualquer vantagem na remessa da petição em causa a uma comissão [parlamentar], sendo preferível que os peticionários dirijam a sua petição diretamente ao órgão competente para demitir o Governo - o Presidente da República».






«Face à resposta, terei de pensar noutras vias, mas não me surpreende. Se tudo estivesse a acontecer no mandato anterior, tudo se resolveria porque Cavaco Silva teria de pensar na sua reeleição e mostraria serviço. Ele vai ter uma reforma e só está a espera que ela chegue, ao contrário de muitos outros cidadãos», disse à Lusa Luís Moreira.