"Portugal não pode esquecer aqueles que serviram em situação de perigo", sublinhou José Arruda, considerando que não pode acontecer aos deficiente militares "o que sucedeu aos homens da I Guerra Mundial, que foram abandonados, votados aos ostracismo até ao 25 de Abril".