O Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva, afirmou esta segunda-feira que não dirá "uma única palavra sobre a campanha eleitoral" para as eleições presidenciais, recusando mesmo pronunciar-se sobre o combate à abstenção.

"Eu até aqui não disse uma única palavra sobre a campanha eleitoral que está a decorrer e vou manter essa posição até ao último dia", afirmou Cavaco Silva aos jornalistas, à margem de uma inauguração de uma unidade fabril de equipamentos agrícolas, no concelho de Torres Vedras.


Questionado sobre o combate à abstenção, o Chefe de Estado respondeu: "Quem sou eu para fazer um juízo sobre aquilo que está a ser feito em matéria de mobilização dos eleitores para votarem? Eu sei como é que fiz quando enfrentei o eleitorado, duas vezes, em 2006 e em 2011, mas os tempos são outros e eu não quero pronunciar-me sobre esses novos tempos".

Relativamente à campanha eleitoral e perante a insistência dos jornalistas, Cavaco Silva declarou que "o facto de conhecer muito bem quais são as competências e as responsabilidades de um Presidente da República" leva-o, "precisamente, a não querer dizer uma única palavra sobre aquilo que tem vindo a ser dito nesta campanha eleitoral".

"Os senhores têm de entender que eu deva deixar os candidatos a fazer o que muito bem entendem e não faça qualquer juízo de valor sobre aquilo que dizem, independentemente daquilo que dizem", afirmou.