O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, disse hoje que Cavaco Silva «não é o Presidente de todos os portugueses», mas apenas da «maioria conjuntural», se não pedir a fiscalização preventiva do orçamento do Estado para 2014.

«E porque o Presidente [Cavaco Silva] jurou cumprir e fazer cumprir a Constituição - tem poderes, deveres e obrigação para isso - deve, no mínimo, pedir essa fiscalização preventiva [do OE2014]. Se não o fizer, fica mais uma vez claro que se identifica claramente com esta política, este Governo. Não é o Presidente de todos os portugueses, é o Presidente do seu partido, do CDS, desta maioria que atualmente existe, conjuntural, na nossa sociedade», disse.

Numa sessão de esclarecimento, em Alverca, o secretário-geral do PCP apelou à continuação das «jornadas de luta» contra as políticas protagonizadas pela maioria PSD/CDS-PP.

«Aquilo que aí vem [jornadas de luta] é, com certeza, não o conformismo, não a resignação, não as inevitabilidades», disse, adiantando que o «povo português, mais uma vez, tem uma palavra decisiva a dizer».

«Eles [maioria governativa] aí estão, já lançaram as suas lebres de corrida contra a Constituição, em ataques violentíssimos. Eles aí estão, a dizer que a luta já não tem saída, que já está banalizada. Eles, que estão mais fracos, isolados, precisamente porque a luta se desenvolveu por parte dos trabalhadores e das populações, têm razão para recear», afirmou.