O Presidente da República recordou esta quarta-feira os dez anos de relacionamento "muito intenso" que manteve com o parlamento, mas em que foi sempre possível manter uma cooperação institucional "perfeitamente correta e leal", e antecipou um ano parlamentar muito trabalhoso.

"Durante estes dez anos o relacionamento entre a Presidência da República e o parlamento foi muito intenso, recebemos da Assembleia da República cerca de 950 diplomas para promulgação. Mas, durante esses dez anos foi sempre possível manter uma cooperação institucional perfeitamente correta e leal, independentemente das diferenças de posição e no respeito pelo princípio da separação de poderes", afirmou o chefe de Estado, Aníbal Cavaco Silva, na apresentação de cumprimentos de Ano Novo da Assembleia da República.

Em jeito de balanço dos dez anos em que esteve em Belém, Cavaco Silva fez também referência à forma como a Presidência da República e o parlamento foram exercendo os seus poderes "sem quaisquer medos ou receios", antecipando um ano de 2016 "muito trabalhoso para a Assembleia da República, não apenas pelos desafios internos com que o país está confrontado, mas também porque a envolvente internacional é extremamente complexa".

"O que posso desejar é um trabalho frutuoso à Assembleia da República no ano que agora começa, mas faço votos também para que se mantenha um bom relacionamento institucional entre o parlamento e a Presidência da República, contribuindo para o fortalecimento da nossa democracia e para a melhoria das condições de vida do nosso povo", disse, antecipando também um debate parlamento "vivo", mas "no pleno respeito pelas regras de uma democracia amadurecida".

Antes da intervenção de Cavaco Silva, o presidente da Assembleia da República, Ferro Rodrigues, tinha também já falado, igualmente em jeito de despedida ao chefe de Estado que terminará o seu segundo mandato em Belém daqui a pouco mais de dois meses.

"A partir de março ficará com maior possibilidade de se dedicar a outras atividades, nunca sairá propriamente da intervenção cívica e política porque nunca o fez mesmo quando esteve afastado entre o período em que foi primeiro-ministro e Presidente da República", disse.

Ferro Rodrigues fez também um balanço do relacionamento dos últimos quatro anos entre a Assembleia e a Presidência da República, falando em "anos muito difíceis e muito duros, um ambiente de crispação, de tensão política e partidária, não apenas no parlamento, mas também com reflexos também em Belém".

Contudo, ressalvou, "mesmo nos momentos mais difíceis e mais tensos do ponto de vista político em termos pessoais houve sempre não apenas um grande respeito pessoal, mas inclusivamente uma claríssima cordialidade entre todos nós".

Falando também de "avô para avô", Ferro Rodrigues fez ainda questão de "desejar ao Presidente da República um feliz Ano Novo e ao senhor professor Cavaco Silva e a toda a sua família um excelente ano de 2016".

Na cerimónia de apresentação de cumprimentos de Ano Novo ao chefe de Estado estiveram presentes, além do presidente da Assembleia da República, os vice-presidentes, representantes de todos os grupos parlamentares e os membros da mesa do parlamento.