O Presidente da República defendeu esta terça-feira que é fundamental que a inovação, a par da educação, possa constituir-se como «instrumento efetivo para a redução das assimetrias sociais», apontando que a formação superior é sobretudo «um ponto de partida».

«É através do saber e do conhecimento, assim como do reconhecimento do mérito e do talento, que se combate a tendência para perpetuar desigualdades fundadas nas origens sociais de cada um», afirmou Aníbal Cavaco Silva, no Palácio de Belém, em Lisboa.

Na cerimónia de condecoração da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa e de várias personalidades do ensino superior, o chefe de Estado argumentou que é «fundamental que a inovação, a par da educação, possa constituir-se como instrumento efetivo para a redução das assimetrias sociais».

Cavaco Silva falava perante os condecorados e os convidados da cerimónia, em que se incluía o antigo reitor da Universidade de Lisboa Sampaio da Nóvoa, que pondera uma candidatura à Presidência da República.

«A formação superior é importante, mas é sobretudo um ponto de partida; já não é, como decerto sabe hoje um grande número de licenciados, um fim que, uma vez alcançado, se tornará sinónimo de realização pessoal e profissional.»


Para o Presidente, «torna-se, por isso, de crescente relevância a formação ao longo da vida, uma área e um processo em que as instituições do ensino superior são chamadas a ter um papel determinante, ajustando e diversificando a sua oferta».

Cavaco Silva sublinhou que «apesar da evolução registada nestes 40 anos de democracia, Portugal continua a ser um dos países da OCDE [Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico] com maior percentagem de jovens adultos com habilitações abaixo do ensino secundário, as quais, por sua vez, estão associadas a taxas elevadas de desemprego».

O objetivo, traçou, é «que a população que não pôde em devido tempo beneficiar de uma formação superior possa agora fazê-lo, especializando-se em áreas compatíveis com as necessidades do mercado de trabalho».

Cavaco Silva decidiu distinguir personalidades que se destacaram no ensino, investigação e produção científica, assim como a Faculdade de Direito, pelo «valioso contributo» que deram à «formação de gerações, para o desenvolvimento económico e social do país, para a projeção de Portugal no mundo, mas também para uma maior integração e coesão social».

O Presidente distinguiu com a Ordem Militar de Sant'Iago da Espada a Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, bem como o professor catedrático de Medicina António Pinto do Amaral Coutinho, o professor catedrático do Instituto Superior Técnico Luís António Aires-Barros, e o professor catedrático da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova António Pedro de Araújo Pires Vicente.

A Ordem da Instrução Pública foi entregue à professora catedrática da Universidade de Aveiro Maria Helena Nazaré, à professora catedrática da Faculdade de Medicina de Coimbra Catarina Isabel Resende de Oliveira, ao professor catedrático da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro Dionísio Afonso Gonçalves, e ao professor catedrático da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova Fernando Pires Santana.

Foram ainda condecorados com essa Ordem o professor catedrático da Faculdade de Farmácia de Lisboa José Augusto Guimarães Morais, o professor catedrático da Faculdade de Letras de Lisboa João Ernesto de Almeida Flor, o professor catedrático da Faculdade de Farmácia do Porto Jorge Manuel Moreira Gonçalves, o investigador na área das Ciências Sociais e História do livro Manuel Cadafaz de Matos Baptista e o professor de comportamento humano Raul Jaime de Abreu Diniz.