O Presidente da República transmitiu hoje as condolências à corporação de voluntários de Valença pela morte de um dos seus bombeiros, de 51 anos, uma semana depois de gravemente queimado no combate a um incêndio florestal.

Em declarações à agência Lusa, o presidente da corporação confirmou que Cavaco Silva, através dos serviços da presidência, contactou durante a tarde aqueles bombeiros, «solidarizando-se» com o momento vivido na instituição.

«Ligaram diretamente para o nosso comandante, transmitindo a solidariedade e as condolências do Presidente da República pela morte do nosso bombeiro, garantindo, à corporação e à família, que estavam disponíveis para colaborar no que fosse necessário», disse Luís Brandão Coelho.

Fernando Manuel Reis, bombeiro voluntário em Valença desde 1987, ficou ferido num incêndio florestal a 29 de agosto, em Sanfins, naquele concelho. Ainda foi transferido para o Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra, com 19% da superfície corporal queimada, nomeadamente ao nível da extremidade cefálica, membros superiores e tronco.

Acabou por morrer hoje na sequência desses ferimentos.

«Fernando Reis junta-se, por sofrimento e morte, a uma vaga de dor que nos atravessou a todos. É uma dor unânime. Uma dor imensa que não se perderá da nossa memória coletiva», lê-se na mensagem de condolências enviada também pela presidente da Assembleia da República, Assunção Esteves, à corporação e familiares daqueles bombeiros.

Também a Câmara de Valença colocou hoje a bandeira do município a meia haste, em sinal de luto pela morte do bombeiro voluntário do concelho.

«O município exprime desta forma a sua solidariedade, nesta hora de dor, aos familiares do Fernando Reis, bem como à Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Valença», afirmou o autarca Jorge Mendes.

Subiu assim para sete o número de bombeiros que morreram neste verão em consequência do combate aos incêndios florestais.