O PCP disse hoje que o Presidente da República deve demitir o Governo e convocar eleições antecipadas, lamentando também que Cavaco Silva não tenha abordado a realidade do país no seu discurso no 5 de Outubro.

«O Presidente da República está completamente comprometido com este Governo. Completamente comprometido, se o quisesse demitir não teria arranjado aquela encenação de uma semana para as conversações de salvação nacional», disse Armindo Miranda, membro da Comissão Política do Comité Central do PCP.

O comunista falava aos jornalistas à saída da Câmara Municipal de Lisboa, no final da sessão comemorativa do 5 de Outubro.

Questionado sobre a polémica recente em torno do ministro dos Negócios Estrangeiros, no que diz respeito ao pedido de desculpas diplomáticas a Angola, Armindo Miranda insistiu na necessidade de demissão do Governo no seu todo e não apenas de Rui Machete.

«Não é com a demissão do ministro dos Negócios Estrangeiros que se ataca a pobreza, a fome e o desemprego em Portugal. É com um novo Governo, patriótico, de esquerda», sustentou.

O Presidente da República, Cavaco Silva, defendeu hoje que é imperioso manter a coesão da República e a confiança dos portugueses nas instituições, advertindo que ninguém está acima da lei e ninguém possui o monopólio da ética.

O chefe de Estado exortou também à revitalização da mensagem do 25 de Abril de 1974, defendendo um «dever de memória» face às anteriores gerações e manifestou-se contra o facilitismo na avaliação de alunos e docentes.

«A exigência e o rigor no ensino são, na sua essência, valores profundamente republicanos. O facilitismo na avaliação de alunos e docentes favorece o privilégio e acaba, de facto, por promover a desigualdade», advertiu Aníbal Cavaco Silva.

O Presidente da República, que discursava no Salão Nobre da Câmara Municipal de Lisboa, na sessão comemorativa do 5 de Outubro, defendeu que é «num contexto de exigência que se distingue o mérito e o talento».