"mito urbano"

"Há um mito urbano da criação de emprego por parte deste Governo", sublinhou a dirigente bloquista, afirmando que os programas de estágios servem "para que empresas usem e descartem estagiários uns atrás dos outros".






"Estamos na situação caricata em que a única força política que ainda não apresentou programa foi a coligação PSD/CDS", observou Catarina Martins, sublinhando que não será necessário os dois partidos apresentarem um programa, porque este já é conhecido: "é o mesmo de há quatro anos".






É preciso limitar os leques salariais das empresas


"A proposta que aparece no programa é para haver limites nos leques salariais das empresas", explanou Catarina Martins, sublinhando que a proposta não irá englobar apenas o salário, mas a remuneração global, contabilizando também prémios ou fundos de pensões.


"Alguém acha aceitável que uma pessoa ganhe num mês o que o trabalhador ganha num ano inteiro? Pois isso seria limitar o leque a 12 meses", apontou Catarina Martins, referindo um estudo que aponta para uma desigualdade salarial em Portugal, dentro das empresas, de 32 vezes entre o salário de topo e os salários baixos.




Para a bloquista, "as altas remunerações não têm nada a ver com o mérito", frisando que, se há dinheiro para salários altos, então a empresa "tem de ter condições para pagar aos seus trabalhadores como um todo".