A coordenadora do BE prefere não se alongar sobre a vitória de Rui Rio nas eleições internas para a liderança do PSD, afirmando apenas que há tempo para conhecer e debater as propostas do novo presidente social-democrata, mas não deixou de responder à sugestão dada pela antiga presidente social-democratas, Manuela Ferreira Leite.

A seu tempo teremos tempo para perceber que propostas é que traz e fazer todos os debates”, respondeu Catarina Martins, quando questionada sobre a vitória de Rui Rio e o objetivo declarado pelo novo líder social-democrata de acabar com a “frente de esquerda” que apoia o Governo do PS.

Confrontada com as declarações proferidas pela antiga líder do PSD Manuela Ferreira Leite, numa entrevista à rádio TSF, de que o PSD “devia estar disposto a vender alma ao diabo” para acabar com o acordo entre os partidos de esquerda, a coordenadora do Bloco respondeu que “não é exatamente essa a conceção que o BE tem da política”, mas considerou que “as propostas alternativas devem ser claras” para as “pessoas escolherem” depois.

À estação de rádio, Ferreira Leite afirmou que “da mesma forma que o Bloco de Esquerda e o PCP têm vendido a alma ao diabo, exclusivamente com o objetivo de pôr a direita na rua, eu acho que ao PSD lhe fica muito bem se vender a alma ao diabo para pôr a esquerda na rua”.

Somos um país ainda muito desigual, com problemas no Serviço Nacional de Saúde, como os que estamos a debater hoje, com pensões ainda muito baixas, salários muito desiguais e muita precariedade. Mas, há uma coisa que sabemos, o país está melhor desde que foi possível uma solução diferente do empobrecimento quotidiano que a direita prometia”, defendeu Catarina Martins, que falava aos jornalistas à margem de uma visita ao Hospital de Faro.

Catarina Martins assegurou que o BE “luta todos os dias” por “uma solução mais exigente, em nome da dignidade das pessoas”, e insistiu na resposta “a seu tempo veremos” para não fazer mais comentários sobre a eleição de Rui Rio para suceder a Pedro Passos Coelho na presidência do PSD.

Não tem nenhum sentido estar a comentar as declarações agora, o PSD fez as suas eleições, vai ter um congresso, grande parte das declarações também têm a ver com o momento de eleições internas e nem seria adequado da minha parte comentar”, disse ainda a dirigente do BE.