A coordenadora do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, afirmou este sábado que vai pedir a fiscalização sucessiva do Orçamento do Estado Retificativo se o Presidente da República não pedir a fiscalização preventiva.

A proposta de Orçamento Retificativo para 2014 foi aprovada, na sexta-feira, no parlamento, com os votos favoráveis das bancadas do PSD e do CDS e contra de todas as bancadas da oposição.

Numa conferência de imprensa após a reunião da Mesa Nacional do Bloco de Esquerda, Catarina Martins disse aos jornalistas que este órgão mandatou o grupo parlamentar para que possa ser pedida a fiscalização sucessiva do OE, no sentido de solicitar ao Tribunal Constitucional a «inconstitucionalidade das normas que, mais uma vez, penalizam quem trabalhou e quem descontou toda uma vida».

A dirigente do Bloco acusou o Governo de fazer «malabarismos» com os números do défice e do desemprego e salientou que um terço da população ativa está desempregada ou em subemprego.

Para Catarina Martins, o primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, e o presidente da Comissão Europeia, Durão Barroso, são «coniventes» na crise e os problemas do país não ficarão resolvidos no fim do programa da troika.

«Não resolvemos os problemas do país, só os agravámos», criticou.