A porta-voz do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, defendeu esta sexta-feira que não se podem comparar, em termos de sondagens, os mandatos da coligação com os dos outros partidos uma vez que depois das eleições os partidos formam bancadas parlamentares separadas.

No final de uma ação de pré-campanha para as eleições legislativas, durante a qual visitou a Escola Secundária Maria Amália Vaz de Carvalho, em Lisboa, Catarina Martins foi questionada pelos jornalistas sobre uma sondagem conhecida hoje da Eurosondagem para o Expresso e para a SIC, segundo a qual o PS ganha em votos mas perde em mandatos.

"Não quero comentar a sondagem mas aproveito para esclarecer o seguinte: não se podem comparar os mandatos da coligação com os mandatos dos outros partidos porque no momento das eleições os partidos formam bancadas parlamentares separadas", enfatizou.

De acordo com a porta-voz bloquista "o que se pode ver nas sondagens é que a direita tem uma queda muito assinalável em relação às últimas eleições" legislativas.

"Não vos vou dizer que não vejo com agrado uma sondagem em que a direita está derrotada e o Bloco de Esquerda está a crescer. É sempre simpático. Mas nós vamos ter sondagens todos os dias nesta campanha e eu não sou comentadora política e portanto, com toda a sinceridade vos digo que não vou passar todos os dias a comentar sondagens", assegurou.

Num estudo da Eurosondagem feito para o Expresso e para a SIC, hoje divulgado, o PS consegue 35,5% das intenções de voto, elegendo entre 95 a 101 deputados. Já a coligação arrecada 34%, conseguindo 99 a 102 lugares no parlamento.

Esta sondagem foi realizada entre 11 e 16 de setembro, num universo da população com 18 anos ou mais, residente em Portugal Continental e habitando lares com telefone da rede fixa. A amostra foi estratificada por regiões, num total de 1510 entrevistas validadas. O erro máximo da amostra é de 2,52%, para um grau de probabilidade de 95%.