A coordenadora do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, disse, este sábado, que «as pessoas não comem mercados ao pequeno-almoço», lamentando que o Governo apareça «contente» e fale em «sucesso».

Apesar de o país assistir a um «empobrecimento como não há memória», com um recuo de dez anos nos salários e na «capacidade produtiva», o «Governo aparece contente com o sucesso do regresso aos mercados», disse Catarina Martins, em declarações aos jornalistas em Ponta Delgada, nos Açores.

Mas no «país real», acrescentou, «as pessoas não comem mercados ao pequeno-almoço».

«Um sucesso de regresso aos mercados feito sobre o colapso da economia e um mar de desempregados é um insucesso para o país», considerou a dirigente do Bloco de Esquerda, que está em Ponta Delgada para participar na IV Convenção Regional do BE/Açores.

Questionada sobre «o plano B» do Governo por causa das pensões e contas que indiciam que a receita recolhida com a nova medida ficará aquém do expetável, Catarina Martins respondeu que os planos do executivo «são sempre a mesma coisa» - «retirar pensões a pensionistas» - e que «também não é novidade que o Governo não acerta nas contas».

A este propósito, sublinhou que nos últimos dois anos, o défice «criado pelo Governo» foi de 8 mil milhões de euros, «quinze vezes superior à medida que o Tribunal Constitucional chumbou».

Dizendo que «é mentira» que «as pensões sejam um problema», considerou que «o problema é o Governo, que causa recessão e desemprego e destrói a economia».

«Também ninguém compreende, a não ser por um fanatismo ideológico, que o um Governo que baixa impostos dos lucros das grandes empresas com a reforma do IRC, considere que não há nenhum caminho a não ser taxar ainda mais pensionistas», acrescentou.