Uma carrinha de propaganda da candidata do CDS-PP à Câmara de Lisboa foi bloqueada por estacionamento indevido na cidade. A situação ocorreu, esta quarta-feira, cerca das 12:00, no Campo Santana, confirmou à TVI24 uma fonte da campanha de Assunção Cristas.

O senhor que conduz a carrinha foi fazer uma entrega rápida e deixou a carrinha em cima do passeio e foi bloqueada”, explicou a fonte.

A mesma fonte salientou que o condutor do veículo não é um funcionário do partido e trabalha para uma empresa que foi contratada pelos centristas para a campanha eleitoral.

Referindo que a carrinha “não esteve lá muito tempo”, a fonte acrescentou que a situação ficou resolvida no local, tendo sido paga a multa e a viatura desbloqueada.

A pessoa que bloqueou devia ter em atenção que é uma campanha e podia ter tido alguma condescendência”, defendeu. “Não só connosco, mas com as campanhas de todos os partidos”, sublinhou.

Imagens partilhadas no Twitter mostram o momento em que a carrinha se encontrava bloqueada.

 

 

Como ilustra a imagem, a ironia da situação é que a mensagem de campanha inscrita na carrinha de Assunção Cristas faz apelo precisamente à necessidade de mais estacionamento na cidade.

"Mais estacionamento e melhores transportes" é a mensagem que acompanha algumas das promessas da candidata em relação à mobilidade na capital.

Na terça-feira, a candidata do CDS-PP à Câmara de Lisboa defendeu um "estatuto de benefício" no estacionamento para moradores distribuindo panfletos semelhantes a multas da EMEL.

"O programa Lisboa Parque é um estatuto de benefício para os moradores, porque achamos que os moradores têm sido perseguidos pela EMEL e, naturalmente, não são os moradores das classes mais altas, que esses têm estacionamento, não é para casas de 500 mil euros, 600 mil euros, um milhão", defendeu Assunção Cristas.

Assunção Cristas percorreu as ruas das Avenidas Novas e colocou, nos para-brisas dos carros, panfletos com as suas propostas para a EMEL, de formato e desenho semelhantes às multas colocadas pela empresa municipal de estacionamento de Lisboa.

A candidata e líder do CDS-PP justificou a escolha do local para a ação "Vamos desbloquear Lisboa", dizendo que os moradores das Avenidas Novas são particularmente penalizados pela ação da EMEL.