O eurodeputado socialista Carlos Zorrinho disse esta segunda-feira, a propósito da detenção de José Sócrates, que o «grande desafio» para o PS é evitar sair fragilizado desta situação, o que seria mau para o partido e para o país.

«O grande desafio para nós todos é que isso não aconteça e para o país será bom que não aconteça», disse à Lusa Carlos Zorrinho, quando questionado sobre se a detenção de Sócrates poderá fragilizar o partido em vésperas de Congresso e quando prepara as eleições legislativas do próximo ano.

O eurodeputado preferiu, no entanto, não se adiantar sobre o tema e afirmou que todos os socialistas devem neste momento ter no «espírito» a mensagem do secretário-geral do PS, António Costa, que apelou para que não confundam a sua solidariedade pessoal em relação a José Sócrates com a ação política do partido, salientando a plena independência da justiça.

Zorrinho, que foi secretário de Estado num Governo de José Sócrates, diz que nesta situação tem o seu «lado pessoal, mas que não tem interesse público», e o «lado pragmático da situação, que cabe à justiça».

Depois de ter sido detido na sexta-feira à noite, no aeroporto de Lisboa, José Sócrates começou a ser interrogado no domingo, devendo hoje conhecer a medida que coação a que será sujeito.

Segundo a Procuradoria-Geral da República, o ex-primeiro-ministro está a ser investigado por suspeitas de fraude fiscal, branqueamento de capitais e corrupção.

Os outros três arguidos no processo foram detidos na quinta-feira e também aguardam as medidas de coação.