O presidente da Câmara de Albufeira, Carlos Silva e Sousa, de 60 anos, morreu esta sexta-feira de madrugada vítima de doença súbita, disse à Lusa fonte da autarquia.

Licenciado em Direito, Carlos Silva e Sousa tinha sido eleito em outubro pelo PSD para um segundo mandato à frente da autarquia, tendo antes desempenhado as funções de presidente da Assembleia Municipal de Albufeira durante três mandatos consecutivos.

Nascido a 13 de abril de 1957, foi ainda deputado na Assembleia da República e membro da assembleia intermunicipal da Comunidade Intermunicipal do Algarve.

Segundo a mesma fonte da autarquia, só após um relatório médico será possível esclarecer a causa exata da morte do autarca.

A Câmara de Albufeira vai decretar três dias de luto municipal.

Em comunicado, a autarquia descreve o seu desaparecimento como "uma perda irreparável para Albufeira", tendo decretado três dias de luto municipal, a cumprir a partir de hoje, e colocado a bandeira do município a meia haste nos edifícios municipais.

Albufeira perdeu um homem grande, íntegro e dialogante, alegre e generoso e, principalmente, sempre disponível para todos", lê-se na nota da autarquia, que elogia ainda a sua "invulgar cultura democrática e elevação pública".

De acordo com o município, Carlos Silva e Sousa, de 60 anos, "ficará sempre na memória de todos os albufeirenses, assim como de todos aqueles que tiveram o privilégio de o conhecer pessoalmente".

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, enalteceu o serviço público prestado por Carlos Silva e Sousa, associando-se ao luto do município.

Foi com grande pesar que tomei conhecimento do falecimento do presidente da Câmara Municipal de Albufeira, Carlos Eduardo da Silva e Sousa, e apresento as mais profundas e sentidas condolências à família enlutada”, lê-se numa mensagem de Marcelo Rebelo de Sousa, divulgada no ‘site’ da Presidência da República.

“Nesta hora de consternação, enalteço o serviço público prestado ao longo da sua vida e associo-me ao luto do município de Albufeira”, refere ainda Marcelo Rebelo de Sousa na nota.