O presidente do PS, Carlos César, recusou esta quinta-feira que se viva «um tempo novo» em Portugal e que se «esteja no país das maravilhas», lembrando que os últimos indicadores revelam o decréscimo da atividade económica. 

«Vivemos hoje uma situação muito difícil por todo o país, apesar de se ver ainda hoje e ontem [quarta-feira] o líder do PSD afirmar que o país está em recuperação, que estamos num tempo novo e que estamos num país de maravilhas», afirmou Carlos César, que falava aos jornalistas no Palácio de Belém, onde hoje o Presidente da República está a ouvir os partidos com assento na Assembleia Legislativa da Madeira, com vista à marcação da data das eleições legislativas regionais antecipadas.

Lembrando que os últimos indicadores do Banco de Portugal revelam que a atividade económica continua a decrescer, o PIB diminuiu quatro por cento nos últimos quatro anos, o presidente do PS gracejou sobre quem é que os portugueses escolheriam para jantar.

«Se os portugueses tivessem de escolher alguém para jantar, mais facilmente escolheriam o presidente do Banco Central Europeu que o primeiro-ministro de Portugal», disse à Lusa.


Na quarta-feira, o primeiro-ministro e líder do PSD, Pedro Passos Coelho, afirmou que o Governo mudou o perfil estrutural da economia ao longo do mandato e garantiu que não abandonará os objetivos de redução do défice e de controlo da dívida em ano eleitoral.