Ideia do ministro é «tresloucada»

Carlos César comenta programa de formação profissional destinado aos agentes da PSP

Por: tvi24 / CP    |   27 de Abril de 2012 às 21:24
O presidente do Governo dos Açores considera «sem sentido» e «tresloucada» a ideia do ministro da Economia e do Emprego de que a formação dos agentes da PSP colocados no arquipélago deve ser paga pela região.

Carlos César, que comentava a resposta dada por Álvaro Santos Pereira às perguntas formuladas pelos deputados do PSD na Assembleia da República eleitos pelos Açores, frisou que «não tarda» que o Governo Regional comece a pagar também vencimentos.

«Se começamos a pagar a formação profissional dos agentes da PSP, não tarda que o façamos também com os militares, com os funcionários das Finanças e com os do notariado», afirmou, acrescentando que, por esse caminho, os Açores vão «pagar as remunerações dos funcionários do Governo da República».

Carlos César referia-se à resposta do ministro da Economia e Emprego ao requerimento dos deputados social-democratas açorianos, onde refere que o programa de formação profissional destinado aos agentes da PSP «está legalmente circunscrito ao território do continente».

No pedido de esclarecimento dirigido ao ministro, os deputados social-democratas açorianos Mota Amaral, Joaquim Ponte e Lídia Bulcão consideravam «inaceitável» a «discriminação» a que estão sujeitos os agentes da PSP no arquipélago em matéria de formação profissional.

Para Carlos César, existe «uma estratégia muito concertada», com «aliados na região», para tentar «desresponsabilizar o Governo da República das suas funções de soberania» nos Açores.

Essa alegada estratégia, segundo o presidente do executivo açoriano, já tinha sido evidenciada nos casos do financiamento da Universidade dos Açores, da RTP/Açores e dos aeroportos do arquipélago, onde «se pede à região que faça aquilo que o Governo da República deve fazer».

Sem referir nenhum nome em concreto, Carlos César afirmou que «há pessoas nos Açores que, só para defender o Governo da República, não se importam que a região fique mergulhada nesses compromissos e fique afetada no seu equilíbrio financeiro».
PUB
EM BAIXO: Carlos César (Lusa/Eduardo Costa)
Carlos César (Lusa/Eduardo Costa)

COMENTÁRIOS

PUB
Benfica mais perto do título depois de empate no Clássico

Benfica e FC Porto terminou num nulo: um daqueles nulos que não deixam nada na mesma. Resultado mantém os encarnados com três pontos de vantagem sobre os dragões na liderança da Liga, também em vantagem no confronto direto. No Benfica, Salvio chegou a integrar a lista de convocados mas não foi opção, enquanto no FC Porto Lopetegui procedeu a várias alterações no onze