Narciso Miranda revelou esta quarta-feira à agência Lusa que vai candidatar-se à presidência da Câmara de Matosinhos como independente nas eleições autárquicas de 2017.

“Estou a ser fortemente pressionado pela sociedade civil. Acabei de assumir que sou candidato independente”, disse Narciso Miranda, que liderou a Câmara de Matosinhos pelo PS entre 1977 e 2005.

O ex-autarca, que se candidatou ao cargo como independente em 2009 mas foi derrotado pelo socialista Guilherme Pinto, acrescentou que os apelos e mensagens que recebe da sociedade civil “são muito motivadores”.

O ex-autarca sublinhou que “os apelos das estruturas partidárias pertencem ao passado” e que esta candidatura surge pelos “interesses dos matosinhenses”

“Neste momento interessa-me sentir o respirar da comunidade, das pessoas. Eu tenho consciência que é um grande defeito meu, mas tenho uma ligação a Matosinhos que quase que é dramática, é muito efetiva, muito profunda, e tenho a sensação que sem Matosinhos não consigo respirar tão bem”, disse.

Narciso Miranda entrou para a política após o 25 de Abril, concorrendo às primeiras eleições autárquicas como número dois da lista apresentada pelo PS para a Câmara de Matosinhos.

Chegou à presidência da autarquia em 1977, sendo reeleito sucessivamente, mantendo-se no cargo 29 anos.

O ex-autarca suspendeu o mandato de presidente da Câmara em outubro de 1999 para assumir o cargo de secretário de Estado da Administração Marítima e Portuária do XIV Governo, liderado por António Guterres. Regressou à autarquia em setembro de 2000, ocupando o cargo de presidente até às eleições autárquicas de 2005.

A morte de Sousa Franco na lota de Matosinhos, durante uma ação de campanha para as eleições europeias, em 2004, afastou Narciso de mais uma recandidatura ao cargo. Mas em 2009 o ex-autarca concorreu novamente à presidência da autarquia enquanto independente, tendo sido derrotado por Guilherme Pinto.