O candidato presidencial Paulo Morais classificou esta quinta-feira de "vergonhosa" a forma como o Estado português tratou o caso Banif, cujas ações estão suspensas da negociação em bolsa por decisão da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

"Há dinheiro que veio no âmbito da assistência financeira para o Banif com aval do Estado, que inevitavelmente vai ser perdido e, portanto, vai ser pago com impostos dos cidadãos", disse o professor universitário em Coimbra, à margem de uma reunião com apoiantes, que foi precedida por uma visita ao túmulo do rei D. Afonso Henriques, na igreja de Santa Cruz.


Para Paulo Morais, "a intervenção do Estado e a presidência por parte do ex-ministro socialista Luís Amado levou inclusivamente a que, em determinado momento, se tenha permitido que a Guiné-Equatorial tenha entrado na CPLP, porque ia comprar uma parte do banco".

"Ou seja, uma hipotética entrada de capital da Guiné-Equatorial no Banif foi a jóia de entrada na CPLP, jóia que nem sequer pagaram. Pior do que isto é impossível", sublinhou.


O candidato defendeu que toda a regulação, não só no sistema financeiro, deve ser revista, porque não é aceitável que de "uma forma completamente impune os detentores dos bancos, os banqueiros e administradores tenham feito ao longo dos últimos 20 anos tudo o que lhes apetece sem qualquer controlo e com uma entidade de supervisão, que é o Banco de Portugal, a dizer que esteve sempre tudo bem".

Na reunião com apoiantes, que decorreu no centenário Café Santa Cruz, Paulo Morais disse que tem de haver uma alteração global da relação do Estado português e o setor financeiro, "porque não se admite que num país haja um negócio em que quando há lucros são dos acionistas e quando há prejuízos são do povo".

Perante cerca de três dezenas de pessoas que o escutavam, Paulo Morais garantiu que, se for eleito Presidente da República, vai criar uma unidade de missão independente para reavaliar todos os negócios do Estado na última década e repor a equidade.

O candidato presidencial salientou que, "nos últimos 10 anos, e em particular na era José Sócrates e de Pedro Passos Coelho, foram feitos negócios verdadeiramente ruinosos para o Estado", dando como exemplos as Parcerias Público-Privadas rodoviárias e as privatizações de empresas públicas.

"Na era Sócrates, seleciono as Parcerias Público-Privadas rodoviárias, muitas das quais ilegais, que garantem aos concessionários dessas autoestradas rentabilidades anuais superiores a 20% ao ano, num negócio que não tem qualquer capital de risco", frisou.


Na governação de Pedro Passos Coelho, o candidato lembrou as privatizações da EDP e da REN, que, segundo disse, foram feitas numa promiscuidade "absoluta entre os interesses privados e a gestão pública e com falta de sentido estratégico".