O Presidente da República defendeu na sexta-feira à noite que é necessário alterar o modo como Portugal vê as suas comunidades no estrangeiro, considerando que «a retórica da saudade tem de dar lugar a atos concretos».

«Tenho insistido que é fundamental alterarmos o modo como em Portugal vemos as comunidades da diáspora. A retórica da saudade tem de dar lugar a atos concretos, gestos palpáveis que demonstrem o respeito e a gratidão de Portugal perante os seus filhos espalhados pelo mundo e que, ao mesmo tempo, envolvam as comunidades da emigração num projeto comum», afirmou o chefe de Estado, Aníbal Cavaco Silva, durante um encontro com a comunidade portuguesa residente no Canadá, o qual decorreu num teatro de Toronto.

Repetindo o apelo que sempre faz em encontros com a comunidade portuguesa residente no estrangeiro, Cavaco Silva pediu aos portugueses e lusodescendentes no Canadá para que ajudem a projetar Portugal «pela positiva», sublinhando a qualidade dos produtos e as potencialidades de investimento.

«Contamos convosco, com o vosso exemplo e com o vosso contributo, para consolidar a imagem de Portugal como país credível, dinâmico e acolhedor», frisou, considerando que a diáspora, «para além de ser um verdadeiro ativo estratégico, deve ser uma embaixada de Portugal onde se encontra implantada».

Falando perante centenas de portugueses e lusodescendentes, Cavaco Silva elogiou ainda «o muito justificado prestígio» que a comunidade goza hoje em dia no Canadá, distinguindo-se pelo seu «dinamismo, entrega ao trabalho, pela capacidade de inovação e pelo espírito de risco e pela ambição face a novos desafios».

No final da sua intervenção, o Presidente da República condecorou duas instituições e cinco membros da comunidade portuguesa que se destacaram na «missão de manter Portugal presente», entre os quais a cantora de nacionalidade portuguesa e canadiana Nelly Furtado.

Os outros agraciados foram a professora da Universidade de Toronto Ana Paula Lopes, o banqueiro Duarte Manuel Ponte Miranda, o empresário e gestor Emanuel Linhares e o empresário da construção civil Manuel Augusto da Costa.

As instituições agraciadas foram a única tuna existente na América do Norte, a Luso-Can Tuna, e a Luso-Canadian Charitable Society.