O secretário-geral do PS apelou diretamente, esta segunda-feira, à concentração de votos nos socialistas no próximo domingo, advogando que o seu partido tem um programa alternativo «claro» e, como tal, os portugueses não vão votar ao engano.

António José Seguro falava num almoço comício do PS, que encheu a sala da Banda Filarmónica de Soure, após a intervenção do cabeça de lista socialista às europeias, Francisco Assis.

«Com todo o respeito pelas opções dos outros partidos [da oposição], só o PS pode derrotar o Governo. Por isso, apelo para que concentrem o voto no PS, porque com o voto no PS derrotam o Governo e estão a votar num projeto alternativo para o país - um projeto que volta a colocar Portugal na senda do progresso e do combate às desigualdades», afirmou.

Na sua intervenção, o secretário-geral do PS fez um veemente apelo contra a abstenção, argumentando que a abstenção «tudo deixa na mesma».

«A democracia nem sempre nos dá um bom Governo, mas a democracia dá-nos o poder de mudar de Governo. No dia 25 de maio temos o poder que o 25 de Abril de 1974 nos deu de fazer escolhas, de poder votar», acentuou o líder socialista.

Depois, Seguro procurou estabelecer um contaste entre os 80 compromissos já assumidos pelo PS no seu «Contrato de Confiança» e a atuação política da maioria PSD/CDS.

«As nossas propostas são claras. As nossas propostas não estão escondidas. Não dizemos uma coisa antes e outra coisa depois das eleições», frisou António José Seguro em nova referência ao documento que saiu da Conferência «Novo Rumo para Portugal».