Os partidos que concorrem às eleições legislativas de 04 de outubro têm pelo menos uma coisa em comum: todos estão presentes na Internet, com sites e páginas numa ou em mais redes sociais, demonstrando que a campanha também é digital.

Apesar de serem “um fenómeno relativamente recente, já nenhum candidato ignora este novo meio de comunicação” e, por isso, “as redes sociais são hoje fundamentais quando se define qualquer estratégia de comunicação política eleitoral”, afirmou a especialista em comunicação, comunicação política digital e análise do discurso, Mafalda Lobo, em declarações à agência Lusa.

De acordo com esta especialista, “nota-se que, cada vez mais existe uma maior preocupação por parte dos candidatos políticos, em estar presente nas redes sociais, e uma preocupação crescente em incorporar nas campanhas o maior número de redes sociais, com destaque para o Facebook e Twitter, de forma a alimentar a rede com o máximo de informação sobre a campanha em tempo real”.

Prova disso é que o PS, além do site costa2015.pt, criado para estas eleições, tem páginas no Facebook, no Twitter, no Instagram, no Flickr e no Tumblr. A coligação ‘Portugal à Frente’, que junta o PSD e o CDS-PP, marca presença nas mesmas redes sociais, à exceção do Tumblr.

A presença dos outros partidos é menor. A CDU, coligação que junta o PCP e Os Verdes, está presente apenas no Twitter e no Facebook. Já o Bloco de Esquerda marca presença no Twitter e no Flickr, sendo ainda possível encontrar no Facebook páginas das várias concelhias e ainda da porta-voz do partido, Catarina Martins.

O Livre/Tempo de Avançar está no Instagram, no Twitter e no Facebook, aqui com duas páginas, uma para cada um destes movimentos.

No Facebook, a mais popular das redes, encontram-se ainda páginas do Partido Democrático Republicano (PDR), do Pessoas-Animais-Natureza (PAN), do Nós, Cidadãos!, do Partido Popular Monárquico (PPM), do Partido Nacional Renovador (PNR) e do Partido da Terra (MPT).

“Embora as páginas de website continuem a ser criadas em períodos eleitorais, as redes sociais apresentam hoje uma dinâmica diferente em períodos de campanha porque permitem, por um lado a participação dos cidadãos/eleitores através de gostos, comentários e partilhas face aos conteúdos apresentados, e por outro, permitem às candidaturas terem acesso à forma como os cidadãos/eleitores reagem às propostas, ideias e programas dos candidatos para o país”, defendeu Mafalda Lobo.

Com a introdução das redes sociais nas campanhas, “o cidadão/eleitor deixou de ser um sujeito passivo na assimilação de conteúdos políticos, em que a televisão assumia o papel preponderante, para passar a ser um agente ativo, que participa no debate político, discute política e assume o papel do contraditório, rompendo-se a barreira dos media tradicionais”.

Apesar de o PS e o PSD serem considerados ‘os grandes partidos’, se as eleições acontecessem nas redes sociais o mais votado seria o PAN, cuja página tem cerca de 78 mil ‘likes’ (gostos). A página Costa2015 tem cerca de 39 mil e a da coligação Portugal à Frente à volta de 33 mil.

“Existem vários indicadores que podem ser denunciadores da influência que os candidatos exercem sobre os potenciais cidadãos/eleitores nas redes sociais, mas que a meu ver não servem de barómetro para se perceber possíveis resultados nas urnas”, considerou a especialista.

Segundo Mafalda Lobo, “o número de gostos, comentários e o número de vezes que os partidos são referidos, podem ser relevantes, por exemplo, para definir a popularidade de um candidato, ou para se perceber as reações positivas ou negativas das propostas políticas apresentadas pelos candidatos, mas não permite perspetivar o resultado no dia das eleições”.

A especialista recorda que o que aconteceu com Fernando Nobre nas presidenciais de 2011: “Foi o candidato que mais gostos e mais popularidade teve nas redes sociais, tendo conseguido obter no final da campanha mais de 38 mil seguidores no Facebook, face aos 28 mil da página de Cavaco Silva, mas isso não significou a sua vitória nas eleições”.