BPN: deputados «devem esforçar-se» para acabar em 4 meses

«Quatro meses é o que temos, é com esses quatro meses que devemos trabalhar», diz Vitalino Canas

Por: tvi24 / SM    |   21 de Março de 2012 às 16:16
O presidente da comissão parlamentar de inquérito ao BPN, Vitalino Canas, afirmou que os deputados devem «esforçar-se» para concluir os trabalhos nos quatro meses previstos.

«Quatro meses é o que temos, é com esses quatro meses que devemos trabalhar, aliás, coincidem com o final de julho e acho que os deputados deviam esforçar-se para fazer aquilo que tem que fazer durante esses quatro meses», afirmou.

Para o presidente da comissão, ainda não é possível determinar o que acontece se o processo de venda do banco ao BIC ainda não estiver concluído passado o tempo previsto para a comissão funcionar.

«É uma questão que nesta altura não tem resposta, nós não conhecemos, pelo menos eu não conheço qual é a calendarização que está prevista para a conclusão do processo privatização, esse processo tem decorrido, a comissão vai correr em paralelo e vamos acompanhar a par e passo», afirmou.

De acordo com o texto aprovado, um dos objetos da comissão de inquérito ao processo de nacionalização, gestão e alienação do BPN é, concretizada a reprivatização, saber se «o contrato definitivo acautela o interesse público e as condições subjacentes ao contrato promessa de compra e venda já assinado com o BIC», bem como o «caderno de encargos» aprovado em Conselho de ministros.

«Aquilo que está na resolução que criou esta comissão é que ela vai incidir sobre vários aspetos, que vão da nacionalização, passam pela gestão e concluem na privatização», sublinhou Vitalino Canas.

«Uma das coisas que ficará definida nas primeiras reuniões é como a calendarização irá espraiar-se por esses três núcleos temáticos», afirmou.
PUB
Partilhar
EM BAIXO: Vitalino Canas
Vitalino Canas
COMENTÁRIOS

PUB
Passos confia «totalmente» na Justiça, que está «a funcionar»

Primeiro-ministro comenta caso Sócrates em entrevista à RTP, dizendo que «ninguém está acima da lei». Para além disso, quis estabelecer uma divisão clara entre o anterior Governo e o atual em matéria de transparência e independência do Estado. Revela que vai seguir o congresso do PS deste fim-de-semana, deixa apelos a António Costa e atesta que o atual Governo está «coeso». Coligação nas próximas eleições é outra conversa, «para o tempo apropriado»