O Bloco de Esquerda (BE) faz na sexta-feira uma interpelação ao Governo onde vai questionar o executivo sobre a atuação da troika, que o partido pretende que seja avaliada de forma negativa em resultado do «período negro» do país.

«Devemos avaliar a troika nestes termos para percebermos que as pessoas estão piores agora do que estavam quando a troika chegou a Portugal», disse o líder parlamentar do Bloco, Pedro Filipe Soares, antecipando o debate de sexta-feira no parlamento que trará a debate o «período negro» que o país atravessa.

O partido trará a debate a «situação política, económica e social» do país nos últimos três anos, e apresentará um projeto de resolução onde chumba a atuação da troika e «rejeita o caminho de austeridade imposto pelo tratado orçamental no pós-troika».

«Três anos depois da entrada da troika devemos confrontar o Governo com o que é a realidade e com aquela que foi a mudança do país ao longo dos últimos três anos. Vemos por exemplo que a riqueza do país em 2013 recuou aos patamares de 2000 e por isso voltámos 13 anos atrás na riqueza produzida no país», analisa Pedro Filipe Soares.

No projeto de resolução, o Bloco recomenda ao Governo a «realização urgente da reestruturação da dívida pública» como «condição para a realização de investimento público criador de emprego e gerador de dinâmica económica».

«A alternativa é resgatar os salários e pensões dos cortes que têm existido para relançar a economia e dar capacidade às famílias de respirar», defende o líder parlamentar bloquista.

O partido pretende ainda ver suspenso em Portugal o tratado orçamental «até à realização de um referendo nacional sobre a sua aprovação».

Fonte do gabinete do vice-primeiro-ministro Paulo Portas confirmou à agência Lusa a presença do governante no parlamento na interpelação do Bloco.