O Parlamento agendou hoje para dia 21 de abril o debate dos projetos de lei e de resolução do Bloco de Esquerda (BE) sobre a nacionalização do Novo Banco.

A coordenadora do BE, Catarina Martins, insistiu, no sábado, que os bloquistas são a favor da nacionalização do Novo Banco, afirmando que a entrega da instituição ao fundo norte-americano Lone Star é “um erro” com “custos avultados”.

Hoje, na reunião de conferência de líderes, os bloquistas agendaram um projeto de lei e um projeto de resolução sobre a nacionalização do Novo Banco.

Além o Bloco, também o PCP não desiste da nacionalização do Novo Banco. Depois dos bloquistas foram os comunistas a anunciar que vão apresentar no Parlamento um projecto de resolução para suspender a venda do banco à lone star e avançar com a nacionalização. Já o PS quer ouvir mais explicações sobre o negócio e para isso quer levar Carlos Costa e Sérgio Monteiro à comissão de Orçamento e Finanças.

Esta quarta-feira, numa comissão, que ainda decorre no Parlamento, o ministro das Finanças, Mário Centeno, assumiu o cenário de eventuais perdas para os obrigacionistas na venda do Novo Banco, no processo de venda à Lone Star, que está em curso. Mas reafirmou que não haverá impacto no défice público e na dívida nos “primeiros tempos”, após a venda, devido à existência de “uma almofada de capital”.