A porta-voz do BE acusou hoje a coligação PSD/CDS de “asfixia democrática” por ainda não ter respondido à proposta para marcação das datas dos debates televisivos antes das eleições legislativas.

“Ontem [quarta-feira] acabou o prazo para a marcação das datas dos debates e sabemos que a coligação de direita não respondeu, ou seja, não quer debater”, lamentou Catarina Martins momentos antes de entregar no Palácio da Justiça do Porto as listas dos candidatos distritais do Bloco de Esquerda.


A porta-voz do BE lembrou que “PSD e CDS apresentaram uma lei na Assembleia da República para alterar as regras da cobertura, nomeadamente televisiva, das eleições”, lei que “obrigou as televisões a alterarem o seu formato, a fazerem propostas inovadoras para darem a resposta à necessidade de uma campanha esclarecida”.

“E a mesma direita que fez a lei é a mesma direita que não quer cumprir a lei”, atirou a responsável.


Para Catarina Martins, “se os debates não acontecerem será a primeira vez em décadas que não há debates entre as várias propostas em confronto”.

“E isto tem um nome, asfixia democrática”, criticou a bloquista para quem a direita não quer debater por "medo" e porque “quer esconder a sua proposta”.

A lei que regula a cobertura jornalística em período eleitoral, publicada em Diário da República na semana passada, refere que "no período eleitoral os debates entre candidaturas promovidos pelos órgãos de comunicação social obedecem ao princípio da liberdade editorial e de autonomia de programação, devendo ter em conta a representatividade política e social das candidaturas concorrentes".

Na reunião de 04 de agosto, que juntou representantes do PS e do PSD, das rádios e das televisões, ficou marcado para 09 de setembro o debate televisivo entre Passos Coelho e António Costa.

Relativamente ao debate de 22 de setembro, em plena campanha oficial, entre os partidos com assento parlamentar, este será organizado pelas televisões, mas ficou ainda por fechar o formato final, tal como ficou por decidir a inclusão ou não de Paulo Portas neste debate.

Para o PCP, que concorre com Os Verdes na coligação CDU, tem de haver um critério objetivo nos debates: ou se trata de candidaturas ou de partidos com assento parlamentar.