A porta-voz do Bloco de Esquerda (BE), Catarina Martins, afirmou esta segunda-feira, em Paris, que "os gregos disseram que não queriam voltar aos partidos da ‘troika’" e comparou os partidos helénicos Nova Democracia e PASOK ao PSD e ao PS.
 
"Foi feito tudo na União Europeia, pelos partidos da direita e pelos partidos socialistas europeus, para derrotar uma alternativa política na Grécia. Mas, na verdade, os gregos disseram que não queriam voltar aos partidos da ‘troika’, que não queriam voltar atrás, que preferem uma força política nova e que se afirma", declarou a porta-voz do BE aos jornalistas no final de um encontro com representantes associativos da emigração.

A dirigente bloquista assumiu que, "com estas eleições [na Grécia], não fica o problema resolvido nem está derrotada a austeridade", mas defendeu que os gregos estão a tentar contrariar "um plano de esmagamento" imposto pela União Europeia, comparando a Nova Democracia e o PASOK com o PSD e o PS.

"Os gregos reconheceram que a Nova Democracia e o PASOK, ou seja, o PSD e o PS locais, com a sua alternância, tudo o que tinham conseguido era metade da população desempregada e sem ter sequer acesso a um hospital, e que é possível fazer diferente", declarou.

Catarina Martins frisou que "ainda falta derrotar a austeridade", mas que "a austeridade não é inevitável", acrescentando que "é nessa luta" que "o Bloco está empenhado em Portugal e na Europa".

"Eu acho que se sente que por toda a Europa há um cansaço dos partidos que criaram crise após crise, que foram sempre a alternância e nunca a alternativa. Acho que em Portugal, como noutros países, há a vontade de que estas eleições sirvam para mudar a sério", afirmou, quando questionada pelos jornalistas sobre o impacto das legislativas gregas nas eleições de 04 de outubro em Portugal.


O Syriza, partido liderado por Alexis Tsipras, repetiu no domingo a vitória de janeiro passado, desta vez com 35,5% dos votos, e vai voltar a formar uma coligação governamental com o partido nacionalista de direita Gregos Independentes, que obteve 3,69% dos votos.

Catarina Martins e Mariana Mortágua, cabeça-de-lista do BE por Lisboa, estão esta segunda-feira em Paris, onde vão participar num almoço com emigrantes portugueses e encontrar-se com emigrantes lesados do BES, que no dia 26 de setembro voltam a manifestar-se na capital francesa e a fazer uma marcha até à embaixada de Portugal.