O Bloco de Esquerda não só está disponível para uma moção de rejeição conjunta com o PS e PCP, ao programa de Governo, como vai propor isso mesmo àqueles partidos. Em vez de três textos - e bastaria apenas um deles ser aprovado para derrubar o Governo - poderá assim ser apresentado apenas um único, dando mais força à maioria de esquerda. 

O deputado Pedro Filipe Soares confirmou isso mesmo aos jornalistas, na Assembleia da República: "Vamos junto da outras bancadas indagar a sua disponibilidade. Creio que será fácil esse processo, mas não posso afirmar em nome das outras bancadas".

"Creio que existe, pelo menos da nossa parte uma disponibilidade nesse sentido, e há possibilidade real de tal vir a ser realizável", afiançou, confiante que não será preciso redigir o texto à pressa.

"Temos ainda tempo para o fazer. Diz o regimento que a moção de rejeição deve ser apresentada nos dias do debate [do programa do Governo, a 9  e 10 de novembro]. Falta mais de uma semana até lá, por isso temos tempo para fazer uma boa moção de rejeição"


O deputado bloquista explicou ainda que os fundamentos do texto serão aqueles que as três forças conseguirem acordar e "tornar possíveis", com "ligação direta" ao acordo que está a ser negociado entre os três partidos. "Dependerá muito do acordo que possamos construir", afirmou. 

Uma coisa é certa: o BE quer garantir, com a moção de rejeição, que se abre a porta a um "processo para afirmação de uma alternatvia que garanta aquilo que tem sido negado às pessoas: reposição de rendimentos, garantias sobre pensões e estabilidade das suas vidas"