"Os radicais de direita do PSD e CDS foram, segundo declarações dos mesmos, mais longe do que a troika nos ataques aos trabalhadores, nomeadamente na redução por decreto do valor do trabalho extraordinário, no prolongamento dos contratos a termo até praticamente seis anos, no aumento de mais de sete dias de trabalho anuais, num país que já é o que mais horas trabalha na zona do Euro".



"A quadrilha que nos governa não vai parar de destruir o país até serem corridos do Governo e, em meu entender, devem depois disso ser investigados por traição ao país no que pelo menos às privatizações diz respeito".





"Ao dizer tudo e o seu contrário, o secretário-geral do PS quer o voto da esquerda política sem assumir compromissos e assim ficar de mãos livres para continuar a ser alternância em vez de ser alternativa".