O PCP mostrou esta quarta-feira o seu «mais vivo repúdio e protesto contra a atuação do Governo» no caso da «recusa de autorização de aterragem» ao voo presidencial boliviano.

«Vamos questionar o Governo para saber quem tomou esta decisão e porquê. Não sabemos se ainda foi Paulo Portas ou se já nem isso é preciso e é, de facto, a Administração dos Estados Unidos quem controla o nosso espaço aéreo e os nossos aeroportos», afirmou o deputado comunista Bernardino Soares, no Parlamento.

Bernardino Soares considerou «gravíssimos» os «atos de espionagem dos serviços secretos norte-americanos sobre países da União Europeia e sobre comunicações privadas de milhões de cidadãos» recentemente denunciados pelo ex-espião Edward Snowden, que se suspeitava estar no interior do avião do presidente da Bolívia, a fim de obter exílio.

«Afinal, (Edward Snowden) não vinha a bordo, mas... e se viesse? Um escândalo que justificaria um pedido de demissão se ele não tivesse já ocorrido», concluiu, referindo-se ao ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros, Paulo Portas.

Snowden: Portugal recusa aterragem a avião de presidente da Bolívia