A deputada do BE Cecília Honório defendeu que o primeiro-ministro deve esclarecer por que é que mantém a confiança no secretário-geral do Sistema de Informações da República Portuguesa (SIRP), cuja posição considera «profundamente fragilizada».

«Dado que a tutela dos serviços de informações é do primeiro-ministro, cabe ao primeiro-ministro fundamentar as razões da sua confiança relativamente à permanência do secretário-geral dos serviços de informações», afirmou Cecília Honório.

A deputada falava aos jornalistas no final da audição ao secretário-geral do Sistema de Informações da República Portuguesa (SIRP), Júlio Pereira, que decorreu à porta fechada e durou cerca de hora e meia.

Cecília Honório considerou que a participação do diretor dos Serviços de Informações de Segurança, Horário Pinto, na operação de «limpeza eletrónica» feita pelo SIS no gabinete do presidente do Instituto de Registos e Notariado (IRN), António Figueiredo, «fragiliza mais uma vez os serviços de informações da República».

«E é nosso entendimento que os diferentes episódios que vamos conhecendo, desde o que envolveu o ex-diretor do SIED até mais recentemente o diretor do SIS são suficientemente preocupantes para fragilizarem profundamente o senhor secretário-geral dos serviços de informações cujas condições de permanência nós gostaríamos de questionar», cita a Lusa.

Instada a clarificar se o BE defende a demissão do secretário-geral do SIRP independentemente dos esclarecimentos que o primeiro-ministro venha ou não a dar sobre o caso, Cecília Honório respondeu que o BE vai aguardar pela resposta de Passos Coelho.

«O primeiro-ministro deve ser rápido no esclarecimento para que a opinião pública possa ficar tranquila», disse.

A proposta para ouvir Júlio Pereira na Comissão de Assuntos Constitucionais sobre o caso em que agentes do SIS foram observados pela PJ no gabinete do presidente do Instituto de Registos e Notariado - preso preventivamente no caso vistos gold -, partiu do Bloco de Esquerda e teve os votos favoráveis do PSD, CDS e PCP.

PCP volta a propor audição do diretor do SIS no parlamento


O deputado do PCP António Filipe anunciou também esta quarta-feira que vai reapresentar o requerimento para ouvir na comissão parlamentar de Assuntos Constitucionais o diretor dos Serviços de Informações de Segurança (SIS), Horácio Pinto.

«Estamos a falar de atos realizados pelo próprio diretor do SIS por decisão sua e entendemos que se impõe que o próprio seja ouvido na primeira comissão», justificou António Filipe, no final da audição ao secretário-geral do Sistema de Informações da República Portuguesa (SIRP), Júlio Pereira.

O deputado disse que a reunião de hoje decorreu sob condições de confidencialidade e que por essa razão não poderá pronunciar-se sobre o conteúdo da audição, reafirmando apenas que mantém a convicção da «necessidade» da audição a Horácio Pinto e que apresentará um novo requerimento na próxima reunião da comissão parlamentar.

O PCP já tinha proposto a audição ao diretor do SIS, requerimento que foi rejeitado por maioria numa reunião anterior da comissão de Assuntos Constitucionais.

Horácio Pinto esteve pessoalmente envolvido numa operação de «limpeza eletrónica» no caso em que agentes do SIS foram observados pela Polícia Judiciária no gabinete doo presidente do Instituto de Registos e Notariado - preso preventivamente no caso vistos gold.