O coordenador do Bloco de Esquerda, João Semedo, acusou na sexta-feira à noite o Governo de conviver mal «com a verdade», pedindo um executivo de esquerda que «ponha fim à austeridade».

«O Governo dá-se mal com a verdade. O Governo vive hoje da aldrabice», acusou João Semedo, num comício do BE em Lisboa, integrado na pré-campanha eleitoral para as eleições autárquicas de 29 de setembro.

João Semedo criticou o «jogo combinado» e as «duas vozes» do Governo, nomeadamente os líderes de PSD e CDS-PP, por prometerem «com uma mão para tirar com a outra», mas reclamou também outra postura do PS e do seu líder, António José Seguro.

«São contra tudo, mas aceitam negociar. São oposição, mas é com o Governo que conversam», lamentou o coordenador bloquista, referindo-se aos socialistas.

Semedo realçou ainda que o BE «não vai simplesmente a jogo» no ato eleitoral deste mês.

«Estamos aqui para derrotar a direita», vincou, declarando que os objetivos do partido passam por manter os eleitos nas autárquicas de 2009, mas também eleger novos autarcas e personalidades autárquicas.

O coordenador bloquista disse ainda que o primeiro-ministro e líder do PSD, Pedro Passos Coelho, mentiu quando referiu em tempos «que se lixem as eleições».

«Queremos lixar nas eleições quem tem andado a lixar a vida dos portugueses», declarou João Semedo, referindo-se a uma frase de Passos Coelho de julho de 2012: «Se algum dia tiver de perder umas eleições (...) para salvar o país, como se diz, que se lixem as eleições, o que interessa é Portugal», sustentou então o governante.

Antes da intervenção de Semedo, Catarina Martins, também coordenadora do BE, apelou a um «ciclo da mobilização» que derrube um Governo que tem praticado o «corte de salários, pensões e serviços públicos».

Cada corte salarial ou em pensões, alertou a bloquista, representa uma redução de dinheiro, não só no presente, mas também para as gerações futuras, para trabalhos e reformas no futuro.

«Cada salário que é atacado é o salário de todas as pessoas que trabalham», sublinhou ainda Catarina Martins.

O BE convocou para a noite de hoje um comício em Lisboa onde juntou os dois coordenadores do partido, Catarina Martins e João Semedo, e o antigo líder Francisco Louçã, para além de outras figuras, como Fernando Rosas, Luís Fazenda e Ana Drago.

Esta é uma das duas iniciativas do partido até às autárquicas de 29 de setembro a contar com a presença em conjunto dos dois coordenadores, já que os dois líderes só voltarão a juntar-se no último dia de campanha a realizar na capital, num registo da Lusa.

O BE permanece na luta pelo «fim da chantagem da dívida»

o antigo coordenador do Bloco de Esquerda Francisco Louçã destacou hoje a luta do partido pelo «fim da chantagem da dívida» do atual Governo, um executivo com a «gula das privatizações».

O BE, sublinhou o antigo líder, «não vira a cara à luta» contra os diferentes «inimigos», casos da dívida do país, da 'troika' e da austeridade aplicada pelo Governo formado entre o PSD e o CDS-PP.

Francisco Louçã falava num comício em Lisboa, no Largo do Cauteleiro, organizada pelos «bloquistas» no âmbito da pré-campanha autárquica.