A coordenadora do Bloco de Esquerda (BE) Catarina Martins criticou hoje a discussão dos partidos do Governo e do PS sobre uma saída «à irlandesa» ou com um programa cautelar do memorando com a "troika", alertando que «não há uma saída limpa» com a situação atual de Portugal.

«O Governo tem discutido se há uma saída limpa ou um programa cautelar. O PS entra neste diálogo com PSD e o CDS como se houvesse saída limpa sobre os escombros da economia, como se houvesse saída limpa sobre o mar do desemprego, como se existisse alguma saída limpa sobre a destruição do país. Não há saída limpa», declarou a bloquista na abertura de uma conferência nacional do partido que decorre hoje e no domingo em Lisboa.

Muito crítica para com a «chantagem da finança», Catarina Martins reiterou a necessidade de se renegociar a dívida soberana, alertando ainda para a «sangria do país» também no período pós-"troika" em áreas como a educação ou a saúde.

«Temos de olhar para os números, para o país em que vivemos, e para as escolhas à nossa frente», disse, comparando posteriormente dados económicos e sociais de 2011, quando Portugal pediu ajuda externa, com os atuais.

«Não há, na verdade, nenhum sinal positivo na destruição que o Governo impôs ao país. O que há é uma propaganda feita sobre os mesmos números de um Governo e uma União Europeia que querem fingir que há sucesso onde só há destruição», assinalou Catarina Martins, analisando dados como a dívida pública de Portugal e a recessão do país.

Esta manhã, na abertura dos trabalhos foi apresentado o nome da eurodeputada Marisa Matias como cabeça de lista do Bloco às eleições europeias de 25 de maio.

O partido junta este fim de semana na capital centenas de militantes que farão recomendações à Mesa Nacional do partido sobre os trabalhos de direção e também abordarão as eleições europeias de maio.

Sob o lema «Bloco mais forte - rejeitar a austeridade, defender o trabalho, o Estado social e a democracia na Europa», serão abordados dois pontos no encontro: trabalho de direção, organização de base e intervenção do partido nos problemas locais, e o manifesto do BE para as eleições europeias.

Esta manhã está a ser discutido o ponto referente ao trabalho da direção do partido, falando Marisa Matias de tarde já depois de iniciada a discussão sobre o manifesto bloquista para o sufrágio europeu de maio, trabalho que prossegue no domingo.

No encontro estão presentes os líderes do partido, deputados, ex-deputados e o antigo líder Francisco Louçã, para além de outras figuras da estrutura do partido.

A ex-deputada Ana Drago, que recentemente abandonou a comissão política do Bloco, está presente na reunião que decorre na Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa.