O Bloco de Esquerda (BE) acusou hoje o ministro dos Negócios Estrangeiros (MNE), Rui Machete, de ser um «embaraço permanente para o Governo e o país», voltando a reclamar um «consenso» para a renegociação da dívida portuguesa.

«Não há nenhuma novidade no facto de sabermos que o ministro Rui Machete é um embaraço permanente para o Governo e o país», disse Catarina Martins, coordenadora do Bloco, em declarações na sede do partido, em Lisboa, após uma reunião com a central sindical CGTP.

A bloquista falava depois do primeiro-ministro ter afirmado hoje que «não há números mágicos» para Portugal regressar aos mercados e que a confiança no ministro dos Negócios Estrangeiros não está em causa, sublinhando «a inversão de tendência» económica e o aumento de confiança.

«Este Governo não tem lugar no país. Discutir o embaraço do ministro Rui Machete é uma repetição de casos sucessivos, não nos leva a lugar nenhum», prosseguiu ainda Catarina Martins.

O chefe do governo português falou hoje aos jornalistas na embaixada portuguesa em Paris, antes de participar esta tarde na segunda conferência europeia sobre o emprego jovem.

Questionado pelos jornalistas sobre se mantém a confiança em Rui Machete, Pedro Passos Coelho respondeu: «Essa questão não está em cima da mesa».

Questionado novamente sobre os 4,5% de taxa de juro referidos por Machete, Pedro Passos Coelho respondeu: «Terá ocasião de perguntar ao senhor ministro, isso não tem para mim nenhuma relevância maior».