Atualizado às 16:06

O vereador social-democrata na Câmara de Baião emigrado em Inglaterra e que pretendia pedir o pagamento das despesas de deslocações, Luís Sousa, anunciou esta segunda-feira que vai renunciar ao cargo e abandonar o PSD.

«Informo que será enviado à Câmara Municipal de Baião o meu pedido de renúncia ao mandato de vereador ainda esta semana, para que o executivo municipal possa funcionar normalmente, com as diferentes forças políticas», lê-se num esclarecimento enviado à agência Lusa.

No documento, o vereador explica também que a decisão de abandonar a militância no PSD se destina a libertar o seu «partido de sempre, de qualquer ónus» com a sua «participação ativa».

Na sexta-feira, o presidente da Câmara de Baião, o socialista José Luís Carneiro, confirmou à Lusa que Luís Sousa, o único vereador do PSD naquela autarquia do distrito do Porto, que recentemente emigrara para Inglaterra, tinha informado o município que iria pedir à edilidade o pagamento das despesas efetuadas nas deslocações a Baião. O vereador invocara o estatuto de eleito local para considerar ter direito ao reembolso dos encargos com as viagens, quando se deslocasse a Baião para participar nas reuniões do executivo.

No esclarecimento enviado esta segunda-fera à Lusa, o vereador sustentou que não foi apresentado à câmara qualquer pedido de pagamento das deslocações de Inglaterra para Portugal.

Observou, porém, ter ficado «claro que esse pedido, a ter acontecido, tinha suporte legal, ao abrigo do Estatuto dos Eleitos Locais».

Para Luís Sousa, «fica ainda claro que os partidos políticos não têm capacidade e firmeza suficientes para assumirem claramente perante uma circunstância desta natureza que a lei está acima das leituras que cada um faz individualmente e por isso deve ser cumprida sem preconceitos».

PSD/Porto congratula-se com renúncia

O presidente do PSD do Porto, Virgílio Macedo, congratulou-se hoje com a renúncia de Luís Sousa ao cargo de vereador, correspondendo ao pedido apresentado pela distrital.

«Este dirigente social-democrata congratula-se pelo facto de, neste fim de semana, Luís Sousa ter, finalmente, apresentado a renúncia ao cargo para que foi eleito, conforme lhe foi expressamente solicitado», lê-se num comunicado.

No documento da distrital, também hoje enviado à Lusa, sublinha-se que, se o vereador não tivesse apresentado a sua renúncia, o PSD retirar-lhe-ia a confiança política.

Citado no comunicado, Virgílio Macedo defende que «qualquer dirigente, ao ser eleito, é para defender os interesses da população e ser ética e politicamente responsável».