O candidato independente à Câmara de Gondomar, Valentim Loureiro, mostra-se "otimista" quanto ao resultado. Hoje que entregou noo tribunal as listas às autárquicas de 1 de outubro, fez questão de lembrar que ganhou todas as eleições que disputou e que os munícipes se têm "agarrado" a si, "sedentos” pelo seu regresso à câmara.

Nas feiras, é o fim do mundo. As pessoas agarram-se ao Valentim. Estão sedentas de ver aqui o Valentim outra vez. Tenho a certeza absoluta de que vamos ter uma boa votação. Sempre ganhei as eleições que disputei. Ganhei no Boavista várias vezes, ganhei na Liga enquanto quis, ganhei na Junta Metropolitana e na Metro do Porto, ganhei na Câmara cinco vezes [três pelo PSD e duas como independente]".

Valentim Loureiro disse, citado pela Lusa, que os eleitores votarão em si por ser "alguém que já deu provas”. "Vou elaborar um programa. Não vou encomendar nenhum programa a uma universidade, não vou encomendar uma grande prosa que ninguém lê. Eu conheço as necessidades dos gondomarenses".

O slogan de campanha

Valentim Loureiro também avançou que não fará "muitos comícios", nem terá "palácios como sedes", prometendo uma campanha "modesta" com o slogan Valentim Loureiro - Coração de Ouro que espelha - disse o candidato - "um homem com um coração bom, um coração sensível, um coração capaz de se interessar pela solução dos problemas dos gondomarenses".

Confrontado com as críticas que lhe têm sido feitas por outras candidaturas, Valentim Loureiro, responde assim:

As críticas passam-me ao lado. Não estou contra ninguém, mas pelos gondomarenses. Se alguém quer sujar a campanha eleitoral com mexericos, que se entretenha. Eu nem sequer lhes dou resposta. Vou fazer uma campanha limpa e transparente".

A retirada, em 2013

Nas autárquicas de 2013, Valentim Loureiro estava impedido pela lei de limitação de mandatos de concorrer à Câmara, pelo que o movimento independente afeto a este candidato entregou listas tendo como cabeça de lista Fernando Paulo. Mas a candidatura não chegou a ir a votos por decisão do Tribunal Constitucional.

Também confrontado com esta situação, Valentim Loureiro disse não ter sido responsável pela candidatura e descreveu ter hoje entregado assinaturas acima do que a lei exige, sem deixar de criticar o processo por ser na sua opinião "discriminatório" face aos partidos.

As leis são feitas por deputados da Assembleia da República que pertencem a partidos e legislam no sentido de se defenderem. Se os partidos fossem obrigados a ter o mesmo número de assinaturas que exigem aos grupos independentes, alguns deles provavelmente não teriam".

Valentim Loureiro também criticou as diferenças em matéria de impostos a pagar por despesas de campanha entre partidos e candidaturas independentes, considerando "incrível que o Presidente da República não ponha termo a isto".

Por fim, o candidato independente garantiu ter apoiantes de todos os quadrantes políticos e de várias faixas etárias, contando episódios que viveu na rua quando fala com jovens.

São candidatos a Gondomar, para além de Valentim Loureiro, o atual presidente da Câmara, Marco Martins (PS), Rafael Amorim (PSD/CDS-PP), Daniel Vieira (CDU) e Rui Nóvoa (Bloco de Esquerda).