Três pessoas foram este domingo identificadas pela PSP em Leça da Palmeira por alegado apelo ao voto no PS a menos de 50 metros das urnas e em Matosinhos o PS queixou-se do candidato independente, revelou fonte policial.

A informação foi dada à Lusa pelo oficial de dia ao Comando Metropolitano da PSP do Porto, de acordo com quem ambas as situações vão ser transmitidas à Direção Nacional da PSP e à Comissão Nacional de Eleições.

O primeiro caso ocorreu pelas 11:30, em Leça da Palmeira, Matosinhos, com «um delegado do PSD a denunciar à polícia que três indivíduos estavam na via pública a apelar ao voto no PS», a menos de 50 metros da Escola Secundária da Boa Nova, onde decorre a votação naquela localidade.

A PSP de Leça da Palmeira «identificou os três adultos, que não ostentavam nenhum cartaz nem foram apanhados em flagrante delito», mas «apareceram duas testemunhas a confirmar que pouco antes estavam a incitar ao voto», descreveu à Lusa fonte do Comando da PSP do Porto.

Em Matosinhos «ocorreu mais uma situação», descreveu a mesma fonte, indicando que uma esquadra local recebeu a denúncia de «uma delegada do PS» relativamente «a um senhor que seria candidato independente naquele concelho».

De acordo com a PSP do Porto, a delegada socialista acusou o candidato de «ter comparecido nas três mesas de voto da Escola Secundária Augusto Gomes, em Matosinhos, para cumprimentar os responsáveis das mesas de voto».

Em Matosinhos concorrem à presidência da Câmara nas autárquicas de hoje António Parada (candidato do PS), Guilherme Pinto (atual presidente da autarquia que deixou o PS para concorrer como independente), Pedro da Vinha Costa (PSD), Manuel Maio (CDS-PP), José Pedro Rodrigues (CDU), Fernando Queiroz (BE) e Orlando Cruz (PTP).